Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Ceasa mantém boas práticas na manipulação dos alimentos

Permissionários reforçaram limpeza de hortifrútis e higienização de embalagens

Publicação:

ceasa alimentos
Foto: Divulgação/Hortigranjeiros D'Agostini
Por Ascom Ceasa

Apesar de não existir transmissão da Covid-19 por meio dos alimentos, processos de controle sanitário adotados por produtores e atacadistas antes da pandemia foram reforçados em decorrência da disseminação do coronavírus. Na Ceasa, permissionários ampliaram as ações de limpeza de frutas, legumes e verduras e a higienização de recipientes e embalagens para evitar riscos à saúde do consumidor. 

Na L. B. Alimentos, que vende batata, bata-doce, alho, cebola e moranga, os potes de plástico que contêm alho triturado são higienizados várias vezes por dia. Uma funcionária passa o pano umedecido com um pouco de álcool a 70% para desinfecção da superfície dos recipientes. 

Desde 2019, a Donato Melancias adota processo de limpeza mecanizada da fruta. O equipamento tem capacidade para higienizar de 1,5 mil a 1,8 mil melancias por hora. Antes, esta etapa era feita manualmente. Com a introdução do novo procedimento, o tempo de limpeza foi reduzido com ganhos em qualidade e durabilidade da fruta. Depois de lavadas, as melancias são encaixotadas e armazenadas em uma câmara fria sob temperatura de dez graus. 

No Centro de Distribuição da Unisalvo Comércio de Hortifrutigranjeiros e Transportes Ltda, os tomates passam por um sistema semelhante. O processo, em uma máquina de beneficiar o fruto, começa com a colocação dos tomates em uma esteira onde eles são lavados. Jatos de água tiram o excesso de terra e as impurezas que possam, por ventura, estar neles. Depois, a máquina ajuda a secar os frutos para que eles possam prosseguir até a etapa da classificação. 

Na Hortigranjeiros D’Agostini, na Serra gaúcha, os proprietários mantêm rotina diária de limpeza dos alimentos antes de transportá-los para a Ceasa. Cenouras, beterrabas, rabanetes e brócolis são lavados antes de serem embalados ou colocados em caixas protegidas por plásticos limpos e higienizados. Há anos, a empresa adotou a rastreabilidade em seus produtos, possibilitando que todos tenham acesso às informações referentes aos hortifrútis, de sua origem ao destino final.

Notícias

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural