Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Pró-Oliva

olivas em uma oliveira
Oliveiras - Foto: Fernando Dias/Seapi

Com o objetivo de fomentar, apoiar os produtores e consolidar a olivicultura, a Secretaria da Agricultura, através da Câmara Setorial das Oliveiras reuniu subsídios junto aos integrantes da Cadeia Produtiva em encontros realizados entre março e maio de 2015 para, em julho do mesmo ano, lançar, no Palácio Piratini, o Programa Estadual de Desenvolvimento da Olivicultura.


As ações previstas estão baseadas nos seguintes subprogramas:

  1. Defesa sanitária e produção de mudas de qualidade
  2. Aumento da produção e produtividade dos olivais – assistência
    técnica e pesquisa
  3. Industrialização de azeites e conservas
  4. Crédito – linhas de financiamentos

Folder do Programa Estadual de Olivicultura

Historicamente o cultivo de oliveiras havia sido proibido no Brasil pela Coroa
portuguesa para não haver concorrência com os azeites de Portugal.

No Rio Grande do Sul a oliveira foi introduzida por açorianos, conforme cita Edy Fernandes, em sua publicação “A Oliveira e sua cultura no Rio Grande do Sul (1959). O mesmo autor descreve que, em 1820, Auguste de Saint Hilaire, ao visitar o RS, registrou em seu livro “Viagem ao Rio Grande do Sul” a presença de vários pés de oliveira em Viamão” e escrevia “comi azeitonas saborosas que, contudo, ainda são objeto de curiosidade mas quando a população aumentar e as terras forem divididas poderá tornar-se, para esta região, uma fonte de riqueza”. Posteriormente imigrantes italianos, portugueses e espanhóis também trouxeram mudas.

Com caráter oficial, a primeira providência teria sido, em 1939, por meio da Secretaria  Estadual de Agricultura, com a importação de pequenas coleções da Argentina para estudos nas estações Domingos Petrolini, Caxias do Sul e em Garibaldi.

Em 1947, o Governo do Estado do Rio Grande do Sul publicou a Lei nº 59, projeto do então Deputado Estadual Celeste Gobato que, entre outras providências, criava a Comissão de Estudo e Fomento do Cultivo da Oliveira e Industrialização e oferecia incentivos fiscais e distribuição de prêmios, “a razão de CR 500,00 por hectare para cada plantador que tivesse contribuído para o plantio dos primeiros 1.000 hectares no RS”. No ano seguinte, em 3 de julho de 1948, foi criado o Serviço Oleícola, na Secretaria da Agricultura.

Antes desta data, Celeste Gobatto relatava, em seu Livro “A cultura da Oliveira e a industrialização das azeitona”, de 1945, existir o plantio de oliveiras em diversas cidades do estado entre 1938 e 1939, como por exemplo, Rio Grande, Pelotas, Santa Rosa, Marau, Taquara e São Lourenço.

Nesta época surgiram várias publicações de agrônomos da Secretaria da Agricultura:

  • Instruções para o Cultivo da Oliveira. Ruy G. Fernandes.1949.
  • A enxertia da oliveira sobre Ligustrum ovalifolium. Edy Fernandes.1958.
  • A Oliveira e sua cultura no Rio Grande do Sul. Edy Fernandes.1959
  • Preparo de Azeitonas em Conserva.
  • Custo de implantação de um olival no Rio Grande do Sul.
  • Fruticultura Gaúcha: Pêssego, Oliveira e Uva. 1959.

Olivas

Com este trabalho de fomento e produção de mudas, realizado pelo Serviço Oleícola, nas décadas de 1950 e 1960, chegaram a ser distribuídas 300 mil mudas em várias regiões do Estado. Pimentel Gomes, em seu livro “A Olivicultura no Brasil” citava os municípios de Uruguaiana, Pelotas, Arroio Grande e às margens do rio Jacuí (Pantano Grande), como possuidores de grandes áreas de oliveiras. Não obstante poucos olivais persistiram e pouco sobrou daquela época.

Em 2002, a olivicultura voltou a ser discutida no 4º Fórum de Fruticultura da Metade Sul, em Santana do Livramento com uma palestra de um técnico do viveiro Agromillora. Pouco depois um grupo de produtores de Caçapava do Sul, incentivados pelo Sr. Guajará de Oliveira, procurou o Governo do Estado solicitando apoio para implantar olivais. Em 2005, foram liberados R$ 300.000,00, pela Secretaria da Agricultura, via recursos do Feaper, e que foram utilizados para a aquisição de mudas fornecidas por um viveiro espanhol, iniciando plantios, nesta nova fase da olivicultura gaúcha. Na época não havia praticamente nada de pesquisa atualizada no Brasil e as recomendações do pacote tecnológico espanhol apresentaram alguns inconvenientes devido às diferenças de clima e solo para as condições mediterrâneas.

A partir daí, a Emater e a Embrapa começaram a capacitar extensionistas e pesquisadores, ao mesmo tempo que produtores de outros municípios começaram a plantar oliveiras.

Devido às dúvidas na produção, e atendendo pedido dos produtores de Caçapava do Sul, a Secretaria da Agricultura, criou em 2008, o “Grupo Técnico – Pesquisa e Extensão em Olivicultura” composto por pesquisadores e extensionistas para elaborar avaliar e sugerir recomendações aos produtores.

A partir de 2010, começaram os resultados positivos em vários pomares o que foi trazendo mais incentivo e novos plantios.

Em 2012 foi realizada a 1ª Abertura Oficial da Colheita da Oliva e criada a Câmara Setorial da Olivicultura.

É justo ressaltar e homenagear o trabalho dos produtores e técnicos, pioneiros, cujas experiências foram fundamentais e muitos dos quais diante dos percalços, não tiveram condições de seguir na atividade.

As condições da campanha 2018/2019, para a olivicultura no Rio Grande do Sul, foram altamente positivas para a cultura.

A estimativa da Secretaria da Agricultura apontou uma produção de 198.664 litros de azeite, em 2019, elaborados por 11 fábricas de azeite (lagares), que processaram cerca de 1.700.000 Kg de olivas, com uma área de colheita de aproximadamente 1.500 hectares.

O azeite produzido no RS, praticamente todo extra-virgem e de alta qualidade, é comercializado em 2019 através de 34 marcas comerciais.

Área Total

Por sua vez novos olivais continuam a ser implantados no estado gaúcho e a área plantada deverá superar 5.500 hectares até o final de 2019.

A perspectiva mostra que o RS é o estado brasileiro com maior potencial de expansão do cultivo da oliveira e, consequentemente, da produção de azeite e de azeitonas em conserva. Atenta a este potencial, a Secretaria da Agricultura, em 2012, instituiu a Câmara Setorial das Oliveiras e a Abertura Oficial da Colheita, que foram realizadas, respectivamente, em Cachoeira do Sul (2012), Caçapava do Sul (2013), Pinheiro Machado (2014), Santana do Livramento (2015), Barra do Ribeiro (2016), São Sepé (2017) e Encruzilhada do Sul (2018).

Várias regiões do RS reúnem condições de clima e solos para projetos de novos olivais. Prova disto é o valoroso trabalho de diversos empresários rurais gaúchos e outros de fora do estado, atraídos pelas nossas condições, que já estão colhendo frutos e fabricando azeites gaúchos de excelente qualidade.

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

DECRETO Nº 53.275, DE 27 DE OUTUBRO DE 2016. (publicado no DOE n.º 206, de 28 de outubro de 2016)

Modifica o Regulamento do Imposto sobre ... (RICMS).

O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL, no uso da atribuição que lhe confere o art. 82, V, da Constituição do Estado, D E C R E T A: Art. 1 ...."CLXXVII - a partir de 1º de dezembro de 2016, aos estabelecimentos fabricantes, nas saídas internas de azeite de oliva fabricado com azeitonas produzidas no país, em valor que resulte em carga tributária na operação equivalente a 7% (sete por cento).
 Decreto 53.275 (.pdf 12,46 KBytes)

 As palestras do Encontro Estadual de Olivicultura foram realizadas no dia 25 de novembro de 2015 na sede da Urcamp em Bagé.

                 A Abertura do evento contou com a presença do Secretário de Agricultura Ernani Polo, do Presidente da Emater  Clair Khun, do Prefeito de Bagé Dudu Colombo e outras autoridades.
                   No dias 26 de  novembro foi proporcionada a Visita Técnica ao olival da Fazenda Guarda Velha/Azeites Batalha em Pinheiro Machado.
                   No total foram mais de 400 participantes de 58 municípios gaúchos, além de visitantes de Santa Catarina, São Paulo, Argentina e Uruguai.
                 Os promotores do Encontro foram  SEAPI, EMATER/RS, EMBRAPA/CPACT, MAPA e Prefeitura Municipal de Bagé que contaram com o patrocínio do Badesul e apoio do SENAR, SDR, FEPAGRO, SEBRAE, Comitê de Fruticultura da Metade Sul; URCAMP UNIPAMPA.

                 Nossos agradecimentos aos palestrantes que disponibilizaram suas apresentações.

 Comportamiento Cultivares Uruguay Paula Conde

 Olivicultura en Uruguay - Paula Conde

 Olivicultura no RS Tailor Garcia

 Alternancia Y Su Manejo En El Olivar - Mercedes Arias

 Resultados De Pesquisas Com Oliveiras  - Enilton Coutinho

 Programa Estadual de Olivicultura - Paulo Lipp João 

Palestras do Encontro Estadual de Olivicultura foram realizadas nos dias 28 e 29 de novembro de 2018, na sede da Embrapa em Pelotas. 

O evento foi uma promoção do Pró-Oliva/SEAPDR, Emater/RS, Ibraoliva e Embrapa. 

Marcas Gaúchas/Municípios

Alma do Segredo

Caçapava do Sul

Alto dos Olivos

Barra do Ribeiro

Batalha

Pinheiro Machado

Bosque Olivos

Cachoeira do Sul

Bueno

Candiota

Capela de Santana

Sentinela do Sul

Capolivo

Canguçu

Casa Albornoz

S. do Livramento

Casa Alfaro

Candelária

Casa Gabriel Rodrigues

São Gabriel

Cerro dos Olivais

Caçapava do Sul

Coimbra Martins Costa

 Rosário do Sul

Costa Doce

Dom Feliciano

Costi Olivos

Caçapava do Sul

Dom José

Caçapava do Sul

Dona Esmeralda

São Sepé

Kór

Glorinha

La Pataca

São F. de Paula

Milonga

Triunfo

Nina

 Rosário do Sul

Olivae

Piratini

Olivais da Fonte

Formigueiro

Olivas do Sul

Cachoeira do Sul

Oliveiras do Seival

Candiota

Olivo Brasil

Dom Pedrito

OlivoPampa

S. do Livramento

Prosperato

Caçapava do Sul

Quinta da Estância

Viamão

Quinta Santha Júlia

Rio Pardo

RAR Randon

 Campestre da Serra

São Pedro

Caçapava do Sul

Terrapampa

Bagé

Verde Louro

Canguçu

Vila Do Segredo

Caçapava do Sul



O primeiro Salão do Azeite foi realizado durante a feira Envase | Brasil Alimenta, de 26 a 29 de abril de 2016,  no Parque de Eventos de Bento Gonçalves. No estande da SEAPDR, expositores de 12 marcas tiveram  a oportunidade de apresentar seus produtos ao público desta feira especializada em alimentos e bebidas.

A partir de então já foram realizadas dezenas de edições do Salão do Azeite Gaúcho em feiras tanto na capital como em cidades do interior.

Salão do azeite
Salão do azeite

Bancos que firmaram Termos de Cooperação com a Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural visando desenvolver a Olivicultura:

·         BADESUL
·         BANCO DO BRASIL
·         BANRISUL
·         BRDE
·         SICREDI

Abertura da colheita 2019 - https://estado.rs.gov.br/producao-de-azeite-extravirgem-deve-ser-a-maior-do-rs-em-2019

FEIRA DO AZEITE

Diversas marcas de azeite de oliva extravirgem produzidas no Rio Grande do Sul  são as estrelas da Feira do Azeite, que ocorre no primeiro sábado de cada mês, durante 2019, no pátio da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr). O evento é uma promoção conjunta do Estado com o Instituto Brasileiro de Olivicultura (Ibraoliva). Os visitantes podem degustar e adquirir os produtos expostos.

Feira do azeite
Feira do azeite - Foto: Fernando Dias/Seapdr

EXPOINTER 2019

A Secretaria da Agricultura, através do Programa Pró-Oliva e do Parque de Exposições Assis Brasil, viabilizaram parceria para que o IBRAOLIVA  apresentasse num estande no Pavilhão Internacional da Expointer uma mostra e venda de azeites nacionais.

Azeite Expointer
Azeite Expointer

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural
Av. Getúlio Vargas 1384. Bairro Menino Deus, CEP 90.150.004 -Porto Alegre-RS.
Câmara Setorial das Oliveiras.
Coordenador: Eng. Agr. Paulo Lipp João – Email: pro-oliva@agricultura.rs.gov.br
Fone: 51-32886364; 51-84456730

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural