Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Umidade do solo possibilita retomada do plantio da soja que já atinge 68%

Publicação:

RS registra retomada do plantio da soja em diversas regiões
Produtores retomam o plantio da soja em diversas regiões do Rio Grande do Sul - Foto: Alessandro Devesac/Divulgação Emater-RS
Por Taline Schneider/Ascom Emater/RS-Ascar

Nas localidades em que ocorreram precipitações, a umidade do solo possibilitou a retomada do plantio da soja e do preparo de áreas que haviam sido interrompidas. De acordo com o Informativo Conjuntural, produzido e publicado nesta quinta-feira (25/11) pela Gerência de Planejamento da Emater/RS-Ascar, vinculada à Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (SEAPDR), a semeadura já atinge 68% no Estado, estando toda essa área em germinação e desenvolvimento vegetativo.

Entre os dias 16 e 21/11 o tempo foi seco, com baixa umidade relativa do ar e do solo e presença de vento constante, o que dificultou o desenvolvimento do milho. Em algumas localidades, o retorno das precipitações amenizou a situação, principalmente naquelas em que os cultivos estão florescendo, formando a espiga e enchendo os grãos. O plantio chega a 86% da área total estimada, sendo que 55% está em germinação e desenvolvimento vegetativo, 27% em floração e 18% em enchimento de grãos.

A semana anterior se caracterizou pela manutenção do tempo seco na maior parte do Estado, o que favoreceu a colheita do trigo que se encaminha para a finalização e já chega a 97%. O restante das lavouras está maduro.

Olerícolas

Mesmo com ocorrência de chuvas no dia 17/11, com baixos volumes em parte da regional da Emater/RS-Ascar de Bagé, associado a alta insolação, olericultores do município intensificam o uso da irrigação por aspersão e gotejamento. A luminosidade e predomínio de temperaturas ainda amenas têm favorecido a produção e a oferta na feira local.

Na Campanha, em Hulha Negra, as chuvas registradas não foram uniformes, porém a disponibilidade de umidade para as lavouras de coentro e cebola para semente ainda é satisfatória. O controle das principais doenças nas lavouras de cebola está sendo facilitado pelo baixo volume de precipitações desde o início de novembro, permitindo maior intervalo entre as aplicações de fungicidas. Nas de coentro, as aplicações de defensivos estão encerradas e a fase de formação dos grãos se aproxima do final, com previsão de início da colheita até o final da primeira semana de dezembro.

Em Candiota, a expectativa é de uma boa safra de sementes de coentro, assim como foi a do ano anterior, com rendimentos próximos aos 1,5 mil quilos por hectare. A cebola está em formação de sementes e maturação. As primeiras lavouras devem ser colhidas manualmente nas próximas semanas, com bom potencial produtivo.  

Frutícolas

Na regional da Emater/RS-Ascar de Ijuí, melancia e melão irrigados estão com boa quantidade de frutos. Melão com poucos frutos em maturação e melancia em início de maturação. A baixa umidade do ar provoca ataque de oídio nas videiras e produtores dão continuidade aos tratamentos fitossanitários. Em Ijuí, os agricultores de mudas frutíferas iniciam os preparativos para a enxertia do pessegueiro e ameixeira. A cultura da laranja está com queda acentuada de frutos em desenvolvimento devido à estiagem.

Pastagens

O início desta semana foi marcado pela falta de chuvas, o que provocou a queda da qualidade das espécies forrageiras, tanto nativas quanto cultivadas. Essa situação mudou após a ocorrência de chuvas, que devolveram a umidade necessária ao solo, possibilitando a retomada do crescimento das plantas.

Bovinocultura de corte

Mesmo com a diminuição da oferta de forragens a campo, o estado corporal do rebanho bovino ainda é considerado satisfatório. Os animais mantidos nas áreas de campo nativo estão com menor ganho de peso, regulado pelo rebrote das forrageiras nativas.

No aspecto reprodutivo, segue a fase de parição. Os produtores que fazem estação de monta ou inseminação artificial estão avaliando as atividades reprodutivas dos rebanhos e planejando repasse em vacas vazias, a fim de garantir melhores índices de prenhes das matrizes.

Notícias

Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural